psique e suas nuances

psique e suas nuances

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

CINEMA ALEMÃO E A PSICANÁLISE


Parte do meu Projeto de Pesquisa se encontra protegido na Biblioteca Nacional e está no meu Currículo Lattes do CNPQ. Plágio é crime.

(Percebi a entrada de um mesmo IP várias vezes nesse BLOG, por questão de segurança, retirei parte do conteúdo do trabalho).

Ao considerar que a Psicanálise é uma prática de análise da Psique Humana e que o cinema joga com as leis da linguagem que Freud descreve como mecanismo fundamental na elaboração onírica*, sendo conteúdos encobertos, mostra-nos estruturas recalcadas que tentam emergir como um disfarce verdadeiro dos sonhos. O trabalho do sonho é a passagem do oculto ao manifesto. Basicamente podemos dizer que o conteúdo oculto é algo semelhante a um impulso e o conteúdo manifesto é uma imagem visual. Finalmente, o conteúdo manifesto¹ é uma fantasia que simboliza o desejo ou impulso latente². Trata-se de uma fantasia, que consiste essencialmente na satisfação do desejo ou impulso velado, ou seja, sonho e cinema jogam com o imaginário do ser humano. (1900; em Freud – A Interpretação dos Sonhos, vol. IV p.131 na Ed. Bras.).* (1916 -1917, p. 206).
            No sonho existe um conteúdo manifesto e um latente. O latente mostra-nos estruturas recalcadas que tentam emergir, ou seja, é o verdadeiro sonho, e o manifesto é o sonho quando o sujeito conta, sendo um disfarce do sonho. Então o primeiro é o inconsciente e o segundo é o consciente, é uma imagem visual, é uma fantasia que simboliza o desejo que foi satisfeito através do sonho, trata-se de uma satisfação parcial das nossas estruturas primitivas; Freud o chama de conteúdo latente e que tem como objetivo iludir as defesas do ego. Quando manifestado, lembramos-nos de breves cenas, como as cenas de um filme, cena em cena, passando pelos nossos olhos. (Freud, 1916 – 1917, p. 218).
O sonho é um lugar do desejo, da identificação e da projeção. A instituição Cinema e todo o aparato da cultura industrializada que gira em seu entorno representam um poderoso instrumento de hegemonia cultural. Ao comporem uma determinada dinâmica de vida entre as pessoas, os filmes também participam na formação de valores éticos e juízos de preferências, nesse sentido, portam uma faceta emocional e histórica.


*A Psicologia dos Processos oníricos (cap. VII p.541) in Obras Completas de Sigmund Freud: Ed. Standard brasileira. Vol. V Rio de Janeiro: Imago Ed. 1996.
¹ Fachada
zero O significado, o despistar o superego.
Na sociedade contemporânea, eles concretizam práticas filosóficas e psicológicas pelas personagens terem relação intrínseca com o indivíduo que sonha, pois é ele quem elabora suas ações por processos psíquicos inconscientes.
Na situação fílmica às vezes o espectador se projeta, identifica, torce por eles e recria os acontecimentos. Conjecturando, o mesmo pode construir ou desconstruir de acordo com a assimilação de sensibilidades e conhecimentos. Tendo como parâmetro o filme “A Queda! As Últimas Horas de Hitler” do diretor “Oliver Hirschbiegel”, percebemos que se trata ainda de uma dicotomia que carrega consigo uma consequência muito séria, concordando com as palavras do historiador John Lukács, para quem a definição de Hitler como louco exonera-o de toda responsabilidade, levanto a hipótese de que ele, em sua alienação autoimposta, para a qual o Bunker é uma metáfora tão perfeita quanto simples, é encenado como alguém incapaz para comandar seus aliados, por motivos físicos e psicológicos; aparentemente o espectador “observa” as cenas por um buraco de fechadura.
Adolf Hitler “estava”¹, “alienado”², era uma pessoa incapaz, segundo alguns trabalhos, e críticos sobre este filme. A teoria psicanalítica nos adverte que a construção de uma teoria que diga respeito à “realidade”, o que é importante não é a diferença entre o que é da ordem do visível ou do invisível, mas sim, a diferença entre o olho e o olhar. O que se pretende dizer com isso é que a função de ver, não está relacionada apenas com os olhos, mas como olhamos as coisas. Para Kant, a estética é o compromisso entre a natureza e a liberdade. Segundo a “Crítica da Razão Prática”, ele se refere aqui a “natureza humana”, apesar de acreditar que seja algo de “subjetivo”, existem os componentes racionais da estética, ou seja, as cognições³, que são fundamentais para alterar a crítica de juízos. É esse olhar que estou mencionando, é essa identificação que estou me apegando.




¹ Não utilizado, o verbo no passado, “ser”, por apresentar-se como qualidade ou característica habitual. Usa-se seguido do particípio passado, para formar a voz passiva. Entende-se, como pessoa que é que foi um ente humano e por toda a sua existência.
² De forma geral tornou-se popular para descrever um distanciamento entre os indivíduos e a realidade, onde o mundo se torna cada vez mais estranho e exterior, em contraste com a visão do selvagem que viveria em proximidade e equilíbrio com a natureza. Também é aquele que perdeu o controle sobre o próprio destino e que não enxerga a realidade como ele é, mas através de fantasias, alienado não é um ou outro, somos todos nós, que dependemos de um sistema exterior que não compreendemos.
“para Kant, estabelecemos as nossas próprias regras do que é belo, a partir da crítica dos juízos, isso significa que o belo, está relacionado com a época, a cultura, e com a nossa aprendizagem”.
Cognição – Ato de processo de conhecer inclui estados mentais e processos como pensar, a atenção, o raciocínio, a memória, o juízo, a imaginação, o pensamento, o discurso, a percepção visual e audível, a aprendizagem, a consciência, as emoções.





O tema faz hiperligação com o link original

Durante a Segunda Guerra Mundial, depois que os nazistas bombardearam várias vezes o Gueto de Varsóvia, na Polônia, Rebecca, de 13 anos, e David, de 14, haviam-se escondido em meios aos destroços.
Era inverno e fazia muito frio. Durante semanas, Rebecca não se atrevera a sair dos escombros, apesar da escuridão, enquanto David aventu-
rava-se de vez em quando a ir em busca de comida. Todas as lojas haviam sido destruídas durante os bombardeios, mas algumas vezes David conseguia trazer algum pão envelhecido ou comida enlatada. Assim, eles iam sobrevivendo e marcando os dias a partir do primeiro em que se haviam escondido.

David sabia que sair dos escombros e circular pelas áreas controladas pelos nazistas era perigoso, mas sabia também que se não se arriscassem, acabariam morrendo de fome. Assim, dia a dia, aventurava-se pelos becos e ruas.

Um dia, um dos mais frios até então, David saíra. Sentada em um canto, encolhida e assustada, Rebecca aguardava o retorno de seu amigo. Subitamente, ouviu o sons de uma respiração. Era David que chegava.

Após acalmar sua amiga, David sussurrou: "Rebecca, eu encontrei um tesouro". Em seguida, mostrou-lhe uma porção de queijo, batatas, cogumelos secos e um pacote de balas, acrescentando: "Há mais uma surpresa, mas só vou mostrar-lhe mais tarde".

Após se alimentarem, David disse a Rebecca: "Você sabe que hoje é o primeiro dia de Chanucá e eu encontrei uma vela e alguns fósforos". Assim dizendo, o menino arrumou a vela, orando e, em seguida, acendeu-a. Pela primeira vez desde que haviam-se escondido nos escombros, os dois olharam-se no rosto e conseguiram enxergar um ao outro. Apesar de sua pouca idade, haviam prometido que, se conseguissem sobreviver, um dia se casariam.

Ambos haviam perdido suas famílias. Ambos tinham muitas razões para estar zangados com D'us, por estarem enfrentando tantas tragédias, mas a luz da vela trouxe paz aos seus corações e a suas almas. Aquela pequena luz, cercada por tantas sombras, parecia trazer-lhes uma mensagem: o demônio não havia dominado tudo e ainda havia um resto de esperança.

Várias vezes os dois jovens haviam pensado em fugir de Varsóvia, mas não sabiam como. O gueto estava cercado pelos nazistas dia e noite. Rebecca, principalmente, sempre hesitara em tomar a decisão de fugir, mas David sabia que suas chances de sobrevivência eram cada dia menores, caso permanecessem na cidade. Agora, iluminada pela chama da vela, Rebecca disse a David: "Vamos partir". "Quando", ele perguntou-lhe. E ela: "Quando você achar que é o momento exato". E David afirmou: "O momento exato é agora".

Assim, os dois amigos prepararam-se para partir. David explicou a Rebecca qual era o seu plano e quais as chances que tinham de sobreviver. Disse-lhe que deveriam andar em meio a destroços, esconder-se nos esgotos, provavelmente infestados de ratos, e talvez congelar até a morte. Mesmo assim, a menina não desistiu e eles partiram.

Em momentos de grande perigo, às vezes as pessoas descobrem que sua coragem é maior do que imaginavam e foi exatamente o que aconteceu com Rebecca e David. Ele foram obrigados a passar pelos esgotos, por caminhos tão estreitos que eram forçados a se ajoelhar e andar bem abaixados. Mas os alimentos ingeridos em Chanucá e a alegria por terem celebrado a festa levava-os a prosseguir, até que pelos sons que ouviam do exterior perceberam que haviam alcançado o outro lado do gueto. Agora, deveriam sair dos esgotos e deixar a cidade o mais rápido possível.

Muitos milagres pareciam estar acontecen- do naquela noite de Chanucá. Por receio de ataques aéreos dos aliados, os nazistas haviam ordenado um blecaute total na área. Por causa do frio, era menor o número de guardas da Gestapo nas ruas. Assim, os dois jovens conseguiram chegar até a floresta mais próxima para descansar e se alimentar.
David e Rebecca levaram uma semana para conseguir encontrar os membros da Resistência, os partisans, que lutavam contra os nazistas. Em sua viagem, recebiam ajuda de camponeses até que em um povoado encontraram um membro da organização clandestina Haganá, que viera de Eretz Israel para resgatar os judeus que fugiam das perseguições nazistas. Este jovem combatente levou-os ao encontro de outros refugiados escondidos na floresta. Era o último dia de Chanucá e, naquela noite, todos acenderam as oito velas. Enquanto alguns jogavam com um dreidl outros permaneceram em vigília.

A vida de David e Rebecca mudou completamente desde o momento em que se juntaram aos membros da Haganá e a outros judeus que tinham um único objetivo: estabelecer-se em Eretz Israel. A viagem até seu destino nem sempre foi fácil. Atravessaram a Checoslováquia, a Hungria e a Iugoslávia, onde um pequeno barco os esperava para levá-los a seu novo lar. O silêncio e o segredo eram essenciais, pois os nazistas ocupavam a Iugoslávia.

A travessia por mar foi marcada pelo perigo. Os refugiados temiam os submarinos e os aviões alemães e nada podiam fazer além de rezar. D'us ouviu suas preces e levou-os a Eretz Israel em segurança, onde foram recebidos com amor e alegria, esquecendo-se, gradativamente, dos sofrimentos na Europa.

Rebecca e David encontraram parentes em Israel, que os acolheram e ajudaram a reconstruir sua vida. Estudaram em escolas onde aprenderam o hebraico e, mais tarde, na faculdade. David formou-se em Engenharia, em Haifa, e Rebecca em Literatura e Línguas, em Tel Aviv. Enquanto estudavam, continuaram a se encontrar nos finais de semana, até que se casaram.

Eles me contaram a sua história em uma noite de Chanucá, em sua casa, em Ramat Gan. As velas estavam acesas na chanuquiá e Rebecca estava fazendo sufganiot (sonhos). David e eu estávamos jogando dreidl com seu filho, Menashem Eliezer, assim chamado em homenagem a seus avós. David então me contou que aquele dreidl de madeira com o qual estávamos jogando era o mesmo utilizado pelos partisans naquela noite na floresta polonesa.

Rebecca então me disse: "Se não fosse por aquela pequena vela que David trouxe ao nosso esconderijo, nós não estaríamos sentados aqui hoje. Aquela pequena luz despertou a nossa esperança e uma força que não sabíamos possuir. Daremos este dreidl a Menashem Eliezer quando ele for maduro o suficiente para entender o que nos aconteceu e como milagrosamente fomos salvos".







Caso queiram assistir mais alguns filmes sobre a segunda Guerra:
Descobri desse link: Filmes